Huaraz e Parque Huascarán – montanhas nevadas e lagoas azuis

 

Quando ir: na época seca, de maio a setembro. As chuvas no Peru costumam ser bem perigosas e causar desabamentos nas estradas.

 

Quantos dias ficar: 3 dias inteiros para os principais passeios, ou mais se quiser fazer outras caminhadas mais longas.

 

Como chegar: a viagem de ônibus desde Lima demora 8 horas e pode ser feita durante a noite. Há muitas opções de empresas, com ônibus bem confortáveis, mas preste atenção porque cada uma delas para em terminais diferentes. 

 

O que fazer: tours de 1 dia para o Glaciar Pastoruri, a Laguna Paron e a Laguna 69. Caminhada de vários dias pelas Cordilheiras Brancas.

 

Onde ficar: a cidade é pequena, mas prefira algo mais central ao redor da Plaza de Armas. Eu fiquei no Hostel Andescamp, que é muito bom e também organiza os tours, mas achei a rua um pouco afastada e escura.

 

Transporte: pela cidade da para fazer tudo a pé. Para os passeios a melhor opção são os tours guiados, pois os destinos ficam bem longe e é necessário percorrer longas estradinhas dentro do Parque Huascarán.

 

Comida: a grande maioria da alimentação é baseada em frango. A estrutura turística ainda é pequena. Não achei fácil encontrar opções vegetarianas.

 

Dinheiro: a moeda do Peru é o Nuevo Sol. Se você passar antes em Lima, prefira já trocar seu dinheiro por lá, pois o câmbio costuma ser pior em cidadezinhas turísticas.

 

Clima: Huaraz tem o clima típico das cidades altas, sempre frio. Na época seca o céu costuma ficar aberto e o sol esquenta um pouco durante o dia, mas a manhã e a noite são bem geladas.

 

Altitude: a cidade fica a 3052m de altitude e alguns passeios vão até a 5000m. Muita gente sofre com o mal de altitude e as trilhas ficam bem mais difíceis.

          

          Na verdade, esse relato é sobre o Parque Nacional Huascarán, Huaraz é apenas uma cidadezinha bem feia e sem graça que serve como ponto de partida para os tours que vão até o parque. Mesmo havendo outras cidades mais próximas, é em Huaraz que a maioria dos turistas fica. Lá há bastante opções de hospedagens e

restaurantes, mas a estrutura turística ainda é pequena. As estradas são ruins e cheias de obras, a cada dia de passeio você terá que enfrentar umas 2h de viagem na ida e na volta para visitar o parque, e a maioria dos guias são bem fracos. Apesar da cidade não ser grande, há avenidas bem movimentadas com trânsito bagunçado e várias pessoas locais me disseram que lá não é muito seguro.

          Já o Parque Huascarán é, na minha opinião, um dos lugares mais lindos da América do Sul. A combinação de montanhas nevadas com lagoas de um azul impressionante forma as paisagens mais maravilhosas que eu já vi. Há uma grande diversidade de passeios que podem ser feitos para conhecer os cenários do parque, inclusive trilhas de vários dias, mas com os tours principais de 1 dia já dá para ter uma amostra dessas belezas.

          Por não ter muito o que fazer na cidade, eu decidi chegar de manhã cedo e já sair para um passeio. Não sei se foi a melhor das ideias, porque eu passei um pouco mal durante o dia, mesmo já estando acostumada com a altitude em Cusco. O ideal é deixar o primeiro dia livre para se aclimatar. Ir embora de noite na volta de um tour pode ser uma boa, a maioria das hospedagens deixa você tomar um banho mesmo depois do checkout. Fiz todos os passeios com o Hostel Andescamp, o pagamento teve que ser em dinheiro, os valores estavam bem mais baixos do que vi em outros lugares e os serviços costumam ser exatamente os mesmos, pois as agências juntam todos os clientes e outras empresas que levam. A ordem dos tours que eu fiz foi ótima:

 

Glaciar Pastoruri – entrada 30s

 

 

          Saindo de Huaraz as 9h se faz uma viagem longa até a entrada do parque, parando antes em um restaurante para quem quer tomar café da manhã. O primeiro atrativo é uma fonte de água naturalmente gaseificada e depois uma pequena lagoa de água colorida. Então a van para em um lugar muito bonito, cheio de montanhas nevadas, onde começamos a trilha. A caminhada é fácil, cerca de 40 minutos em subida leve. O Glaciar Pastoruri fica a 5000m de altitude e nesse passeio muita gente se sente mal, com dor de cabeça, enjoo e tontura, é bom tomar chá de coca antes de ir. Apesar de estar derretendo bastante, o glaciar é bem grande e na frente há um lago que reflete a sua beleza. A vista toda é lindíssima, tire suas fotos e depois busque um lugar tranquilo para sentar e contemplar. A volta é mais fácil e depois a van para no mesmo restaurante para o almoço. A chegada a cidade é entre 18/19h.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Laguna 69 – entrada 30s

 

 

          Esse passeio sai de Huaraz as 4h30 da manhã. As 7h paramos em um restaurante para tomar um chá de coca e tentar se esquentar do frio extremo. Seguindo pela estradinha já dentro do parque paramos na esverdeada Laguna Llanganuco. Às 9h15 chegamos no início da trilha. Essa é a caminhada mais difícil e as pessoas se espalham bastante seguindo em diferentes ritmos. O começo é plano até chegarmos a duas cachoeiras. Então se inicia uma longa subida em ziguezague. A altitude dá uma sensação de falta de ar, mas o importante é seguir devagar e sempre. Não é fácil, mas pode ter certeza que vale a pena. Chegando à Laguna 68 o caminho segue plano até a última e mais dura subida. O esforço final é recompensado quando se avista a lagoa azul com a montanha imponente atrás. Depois de 2h30 de caminhada cheguei morrendo de calor, mas logo esfriei de novo. As outras pessoas foram chegando aos poucos, inclusive idosos e crianças, mas o lugar não chega a ficar muito cheio e dá para aproveitar aquela grandiosidade toda sossegado e aproveitar para comer um lanche reforçado. A volta é descida, mas também cansa e depois são mais algumas horas no ônibus até chegar em Huaraz por volta das 19h.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Laguna Paron – entrada 5s

 

 

          O tour para a Laguna Paron é o mais fácil e qualquer um pode fazer. A saída de Huaraz é as 8h e há uma parada na cidadezinha Cahuaz. A estradinha de terra é interminável e cheia de curvas. Chegamos na lagoa já às 13h. A van para na beira da lagoa e quem quer pode dar uma volta de barco ou subir até um mirante. A vista lá de cima é bem mais bonita, pois vemos a lagoa iluminada pelo sol. A cor dessa água não parece real, mesmo estando lá, é um azul claro denso e opaco. Há venda de algumas comidas simples no local. A volta é longa e a chegada em Huaraz é por volta das 18h.

 

 

 

Share on Facebook
Please reload