Quando ir: o ano todo. Chove menos de junho a setembro. Nos finais de semana a cidade enche de equatorianos.

Quantos dias ficar: 2. Dá até para fazer a Ruta de las Cascadas e ir à Casa del Árbol em um dia só, mas o clima pode atrapalhar. Também dá para ficar bem mais dias, curtir as águas termais e os esportes radicais.

Como chegar: a cidade fica a 4h de ônibus de Quito ou 6h30 de Guayaquil. Tente pegar um ônibus de viagem que vai direto, senão eles ficam parando em todo lugar para pegar e descer gente.

O que fazer: descer a Ruta de las Cascadas de bike até a cachoeira Pailón del Diablo, brincar no balanço do fim do mundo na Casa del Árbol de frente para o vulcão Tungurahua, passear pela cidade e observa-la do alto.

Onde ficar: a cidade é bem pequena e tem muitas opções de hospedagem. Boas localizações são ao redor da praça da igreja ou próximo da rodoviária.

Transporte: dá para andar a pé por toda a cidade. Para a cachoeira Pailón del Diablo dá para ir de bicicleta ou ônibus. Para a Casa del Árbol dá para subir de Chiva ou a pé.

Comida: Baños é super turística e tem muitas opções de restaurantes com comidas variadas, inclusive vegetarianas e veganas.

Dinheiro: no Equador se utiliza o dólar, a moeda dos Estados Unidos mesmo. É mais vantajoso já viajar com dólares do que deixar para trocar reais lá. Eles usam também suas próprias moedas valendo como dólares, mas elas não são válidas no resto do mundo. É comum não aceitarem notas de 50 ou 100. Não encontrei muitos lugares que aceitassem cartão de crédito no país.

Clima: por ficar entre montanhas, o clima da cidade é muito imprevisível. É sempre friozinho, média de 15°C. Mas nunca se sabe se vai chover e depois abrir um solzão, tudo é possível.

A cidade de Banõs é uma gracinha, bem pequena, entre montanhas, abaixo do vulcão Tungurahua e super turística. Todo lugar é hotel, restaurante ou agência de turismo. Também há várias lojinhas de artesanato e de doces, onde fazem bala na frente dos clientes. Pela cidade existem alguns lugares de banhos termais. O vulcão está adormecido e caso haja erupção me garantiram que a lava seguiria por caminhos que desviam da cidade. Mas há diversas indicações de segurança e sinalizações para eventuais evacuações.

O clima é bem imprevisível, os moradores dizem que depois de alguns dias de chuva, para de chover por um dia ou outro, dependendo das fazes da lua. Os dois dias em que eu estive lá amanheceram chovendo, mas depois o tempo abriu e no segundo dia saiu sol e depois o céu ficou limpo. Varia muito mesmo durante o dia. O ideal é ir com um tempo de sobra para se chover muito, ou fazer as coisas com chuva mesmo.

O passeio mais famoso é a Ruta de las Cascadas de bicicleta. Várias agências de turismo oferecem aluguel de bicicleta e também capacete, corrente com cadeado, kit de reparos e mapa. O mapa indica a estrada que sai de Baños e contorna um vale lindo, com cachoeiras e bases de esportes radicais como tirolesa. É importante pedalar pelo cantinho, mas os carros já estão acostumados e passam longe. Quando tem túnel o caminho dos ciclistas desvia por outra estradinha, aproveite para apreciar a paisagem. É tudo bem fácil, praticamente só descida. Chegando na área urbana onde fica o Pailón del Diablo, cada um arruma um lugar para prender a bicicleta, então se segue a pé por um caminho até a área da cachoeira, onde precisa pagar para entrar. A queda de água é muito forte e linda, dá para ver de vários ângulos, descendo por escadinhas, e até entrar embaixo da água. Várias pessoas vão com capa de chuva para curtir os respingos. Para voltar é possível subir pela estrada pedalando, mas alguns caminhões ficam esperando para levar as pessoas e bicicletas a Baños.

Para observar a cidade de cima tem o Mirador la cruz Bellavista. Dá para subir por uma trilha de terra que leva cerca de 1h. Seguindo de lá a pé pela estrada até a Casa del Árbol demora mais 2h. É um caminho gostoso e assim você pode chegar lá sozinho e aproveitar o lugar sem filas. Para quem não quer andar, dá para tentar pedir carona, pegar ônibus ou experimentar a Chiva, uma espécie de caminhão aberto que leva as pessoas e vai tocando música com luzes piscando e um guia falando no microfone. No caminho há outras paradas em lugares que oferecem esportes radicais. De alguns pontos se pode observar a beleza e imponência do vulcão Tungurahua, se você tiver sorte de o céu estar aberto. Na Casa del Árbol é necessário pagar para entrar, então você pode aproveitar à vontade o balanço do fim do mundo, que fica na beira de um precipício. Tem uma cordinha de segurança na frente e um funcionário do local empurra as pessoas com toda a força. É bem divertido e não dá medo, também rende boas fotos.


This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now